sábado, 21 de abril de 2012

O MONÓLOGO DA FILHA



Isaac Nicolau Salum
Ah! se mamãe soubesse
como eu quase não posso deter o meu coração, quando a criançada em festa, no segundo domingo de maio, atira flores nas suas mamãezinhas!... Se ela visse, no meu sorriso interior, o meu afeto, o meu carinho, o meu amor... Se ela soubesse, como, no meu quarto, — quando eu me deito, e quando à noite acordo, e ao me levantar da cama — lembro o seu nome a Deus e lhe agradeço a mãe que ele me deu tão carinhosa e boa... Se ela soubesse disso tudo, ela haveria de ficar alegre e chorar até... de alegria! Ela haveria de ficar contente por descobrir que sua filha é crente, por descobrir que sua filha a ama, por saber que por ela a filha ora... Mas, não! Eu não lhe digo nada agora, nem noutro tempo hei de contar-lhe, não! Mas hei de amá-la sempre, orar por ela sempre, olhá-la sorridente, viver pensando nela, ser sempre obediente, ser sempre carinhosa... E tudo, tudo ela há de descobrir sozinha! E ela há de agradecer a Deus sozinha, o amor, a obediência e as orações da filha!
E eu hei de ter esse gostinho de saber que, escondida e ajoelhada, ela ergue o olhar aos céus e ora assim a Deus: "Ó Deus, eu te agradeço a filha boazinha, tão crente e carinhosa, feliz e obediente que tu me deste.
Faze-a sempre feliz e sorridente,
tão bela e delicada como a rosa!" Também ela há de ter o seu gostinho de imaginar quão cheia de carinho eu oro no meu quarto com fervor:
"Ó Deus, eu te agradeço a boa mamãezinha,
a mamãezinha crente e carinhosa
que tu me deste.
Faze-a Senhor, feliz,
faze o papai feliz,
e cada irmão feliz,
e o nosso lar feliz,
cheio de paz, de amor,
como o teu céu, Senhor,
como o teu céu, Senhor!..."
Fonte: Florilégio Cristão.

Nenhum comentário: