quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Como nascem os bebês?


Saiba como lidar com a curiosidades e alguns comportamentes dos pequenos.

No início do século XX, o funda dor da psicanálise, Sigmund Freud, escandalizou a sociedade, impregnada por conceitos vitorianos, ao afirmar que a sexualidade já existe na criança muito tempo antes de ela chegar a puberdade ou à junventude. Até hoje, muitas pessoas ficam reticentes em aceitar que o conceito da sexualidade e da genitalidade são distintos. "A sexualiadade é uma forçã interna que nasce com o ser humano e não está limitada às questões genitais. Já a genitalidade se desenvolver com o tempo e espera-se que seja entre a puberdade e a adolescencia", explica Claudio Césae Montoro, psicanalista lacaniano.

Segundo Freud, o ser humano pasa pos diversas fases ao longo da vida:



  • Oral ( do nascimento aos 18 meses;


  • Anal (dos18 meses aos 3 anos);


  • Fálica ( dos 3 aos 7 anos);


  • Latência (dos 7 anos até a puberdade);


  • Genital (entrada da puberdade).

A fase fálica ér considerada uma das mais fundamentais para o ser humano. è nela que o complexo de Édipo (verifica-se quando a criança atinge o período sexual fálico na segunda infância e dá-se então conta da diferença de sexos, tendendo a fixar a sua atenção libidinosa nas pessoas do sexo oposto no ambiente familiar) se manifesta, quando às crianças começam a fazer perguntas(levadas de curiosidade) e a ter algumas atitudes embaraçosas, provocando angústia em seus pais e profesores. Veja a seguir como lidar com essas situações:


O que é comum


Tirar a ropua (a prórpia ou a do cologuinha);


Mostrar e tocar seus orgãos sexuais;


Beijar o (a) amigo (a) na boca;


Falar que um coleguinha é seu (a) namorado (a);


Perguntat como nascem os bebês;


Curiosidade sobre as diferenças anatômicas entre meninos e meninas.


Como Lidar


♣ Encare com naturalidade as questões atreladas à sexualidade e à genitalidade;


♣ Fale sempre a verdade, mas sem muitos detalhes.


♣ Dê respostas, simples e claras, usando palavras que as crianças entendam. "Não conte lendas e histórias fantásticas, pois a criança percebe que foi enganada e pode ficar ainda mais ansiosa e até angustiada, querendo saer a verdade".


♣ Responda à dúvida da criança, perguntando carinhosamente se era aquilo que ea queira saber, se existe outra coisa que ela gostaria de entender...


♣ Trabalhe as diferenças com a turma por meio de bonecos ou dramatizações. Pergunte: "Quais as difereñças entre você eo coleguinha (cor do cabelo, dos olhos, da pele, altura, etc.)? E entre meninos e meninas?


Atenção: comunique aos pais que trabalará esse tema com os pequenos, pois alguns podem achar que é cedo demais para falar sobre sexo.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

ENCENAÇÃO COM FANTOCHES

Para a fixação de verdades bíblicas para crianças, você pode usar um dom natural que Deus deu a todos nós: a criatividade. Uma idéia bem simples é encenar fantoches - as crianças gostam muito!
Obviamente que tais estórias não substituem o ensino bíblico direto, sendo um recurso visual para reforçar a idéia explanada na lição principal, além de descontrair, brincando.
Fantoches são bonecos feitos de pano ou papelão, que ganham vida com voz e ação.
Criatividade e simplicidade na estória são os meios para obter sucesso com este recurso.
Lembrando que fantoches não podem fazer apelo pois eles não são de verdades, não possuem vida, e a criança sabe disso, mesmo que a criança deixa ser levada pelo fantoche, ela conhece bem sua realidade. O apelo deve ser feito por um adulto e que tenha experiências com Deus, pois o apelo vem junto com um testemunho de vida.
O fantoche serve pra descontrair, ajuda na direção do culto, ensina um corinho, chama a atenção.
Seguem algumas estórias bem simples e rápidas, utilizando-se somente 2 personagens: 1 menino (Zezé) e 1 menina (Emília). Adapte-os segundo a conveniência!

ENCENAÇÃO COM FANTOCHES (1)


A VIDA ETERNA

1. ZEZÉ
Olá! Estou muito contente! Lá! Lá! Lá!
2. EMÍLIA
Puxa, que alegria toda é esta, Zezé?
3. ZEZÉ
Ah! É porque o Senhor Jesus nos preparou um lugar muito bonito, chamado céu, onde iremos morar!
4. EMÍLIA
Céu? Mas como é que você tem certeza que irá para lá?
5. ZEZÉ
É que a Bíblia diz que quem aceitar Jesus como Salvador vai para o céu! "O céu é um lindo lugar..."
6. EMÍLIA
Que legal o céu! E o que vai ter lá?
7. ZEZÉ
Vai ter ouro, alegria, e muito louvor !
8. EMÍLIA
Ouro? Até isso vai ter lá no céu?
9. ZEZÉ
Sim! O livro de Apocalipse diz que a praça é de ouro puro! Que legal! "O céu é um lindo lugar, cheio de graça, sem par"
10.EMÍLIA
E como fazemos para chegar lá?
11.ZEZÉ
Ah! Isso faz parte da lição de hoje!
12.EMÍLIA
Vamos lá! Aprender esta lição! (saem Zezé e Emília)
13. Comentarista
E vocês, crianças, estão curiosas de saber como ir para o céu? Então prestem atenção na lição de hoje!
14.ZEZÉ (voltando)
"Deus é bom prá mim..." (cantando)
15.EMÍLIA (voltando)
Puxa, Zezé, que lição legal, saber que toda criança pode ir para o céu!
16.ZEZÉ
Eu vou convidar meus amigos para conhecerem esta história: o Zeca, o Xuxa, o Rafael, o Aníbal, o Rodrigo, o Valter ...
17.EMÍLIA
A Fernanda, a Sebastiana, a Xiquinha, a Mariana, a Janaína, a Bruna...
18.ZEZÉ
O Rogério, o Vadeco, o Negão, o Luís, o Pepito, o Marcão...
19.OS DOIS
Vamos lá, vamos convidar, êeeee...!
TCHAU! TCHAU!

Como Realizar um Culto Interessante




Sugestão: “Crianças no Altar de Deus”.

2.3. ORNAMENTAÇÃO
Coloque um painel sem lugar estratégico. Além do painel, o ambiente pode ser ornamentado com cartazes que contenham pequenos versículos bíblicos. Entra um cartaz e outro, coloque bolas coloridas.

2.4. SELEÇÃO DE LOUVORES
Inicie com corinhos de adoração e depois passe para outros mais alegres, acompanhados de gestos, e termine com um bem espiritual, preparando – os para a leitura bíblica.
A seleção dos cânticos pode seguir a seguinte linha temática: o amor de Deus, a Bíblia, a salvação, o céu, ofertas ao Senhor, a criação de Deus, fé missões, vida, cristã, oração, heróis bíblicos, Jesus etc.
2.5. VERSÍCULO-CHAVE
Apresente o versículo de forma especial. Ele pode ser musicado ou aparecer num painel em forma de silhueta de igreja, criança ajoelhada ou cruz, entre outras. Enfim, faça algo que as leve adoração a Deus.
Repita o versículo umas três vezes para que memorizem e, caso o ambiente seja muito grande, apresente-o no retroprojetor. A visualização também é útil para a fixação da idéia.

2.6. TESTEMUNHOS
Os testemunhos edificam a fé das crianças. Se elas tiverem vergonha de falar sozinha, comece entrevistá-las sobre o cura ou a bênção recebida.
2.7. HISTÓRIAS BÍBLICAS
A história bíblica é o ponto de central do culto. Nesse momento, a criança vai entender melhor o tema escolhido. A historia pode até ser pequena, mas não deve se excluída da programação. Uma peça de pouca duração poderá ser apresentada logo após a história bíblica como meio de enfatizar a aplicação prática.
Caso resolva dramatizar a história bíblica, faça tudo com muita seriedade e oração. A mensagem bíblica não pode ser motivo de algazarra e de teatro de humor. O Espírito Santo age onde há reverencia ao seu nome e á sua palavra.
A história escolhida pode vir acompanhada de visuais atraentes ou ter um retroprojetor como suporte. As transparências utilizadas devem ser bem coloridas.
Sugestão de história para o tema: “O Sacrifício de Jesus Cristo na cruz do Calvário – O Altar do Perdão”.

2.8. APELO
As palavras devem ser curtas e objetivas. Confie no poder do Espírito Santo, convencendo a criança de que é pecadora e precisa do sangue do Cordeiro para purificá-la.
É recomendável utilizar um material visual apropriado; coração limpo e sujo, uma cruz simples para falar do sacrifício de Jesus, menções ao céu e á igreja.

2.9. ESPECIAL
O especial pode ser feito com bonecos (fantoches) ou qualquer atração recreativa. Enquanto as crianças estão participando do especial, ministre, em local apropriado, aconselhamento para as crianças que aceitaram a Jesus como Salvador. Torne esse momento solene e sagrado.

2.10. ENCERRAMENTO
Distribuição de lembrancinhas ou lanche.

O Culto Infantil


O culto voltado para o segmento infantil é de suma importância porque através dele a criança tem a liberdade de expressar sua fé em publico, além de adquirir conhecimentos bíblicos que alimentarão o seu espírito e as prepararão para defender-se do pecado em diversas situações. É no culto que também irá aprender histórias ou doutrinas bíblicas sobre o amor, lealdade, fidelidade, coragem, disciplina, responsabilidade, obediência e outros valores cristãos.
Os objetivos específicos desse tipo de trabalho são:

? Compreensão da mensagem escolhida;
? Apreciação da mensagem e fixação no espírito;
? Tomada de atitude quanto à mudança de comportamentos problemáticos, decisão por Cristo e participação mais efetiva nos trabalhos oferecidos pela igreja para a sua faixa etária especifica.

1. Aspectos Considerados na Programação do Culto Infantil
1.1 - PROCEDIMENTOS ÚTEIS
- Agendar as datas dos cultos infantis de acordo com o calendário da igreja;
- Organizar uma equipe na pessoa de um coordenador;
- Preparar um bom material ilustrativo e escolher técnicas de exposição do tema de acordo com as necessidades das crianças. A sugestão é que sejam utilizadas dramatizações, sermão ilustrado, especial com bonecos, louvores com coreografias, etc.

1.2 - DEVERES DO COORDENADOR
- Convidar pessoas com chamadas de Deus para a obra infantil a fim de fazerem parte da equipe;
- Planejar os cultos e convidar personalidades que enriqueçam espiritualmente o trabalho;
- Rascunhar os recursos visuais, painéis, lembrancinhas e material de apoio, entregando-os ao coordenador de Artes, com antecedência, para que sejam confeccionados;
- Solicitar ao departamento de Divulgação que envie cartas ás igrejas convidando-as a participar do culto;
- Convidar pregadores para enriquecer o evento;
- Manter um clima harmônico entre todos os componentes da equipe;
- Fazer relatório sobre todas as atividades ocorridas no mês.

1.3 - DEVERES DE EQUIPE
- Preparar o ambiente, dando um colorido especial no dia do culto;
- Não permitir desordem por parte das crianças. Procure acalmá-las carinhosamente e com autoridade;
- Assumir a responsabilidade até o final do culto;
- Prestar atenção ao dirigente e auxiliá-lo que for preciso.

1.4 - PROGRAMA DO CULTO
- Oração;
- Palavra introdutória e de boas vindas;
- Louvores;
- Versículo-chave;
- Testemunhos e oportunidades;
- História bíblica;
- Aplicação prática;
- Síntese final e apelo (as crianças que aceitaram a Cristo devem ser retiradas para um recinto especial para aconselhamento);
- Especial com fantoches ou outro com finalidade recreativa;
- Encerramento.